O Brasil está preparado para os carros autônomos?

Os veículos autônomos, também chamados de veículos robóticos e veículos sem motorista, são conduzidos por um sistema computacional. É um robô que integra um conjunto de tecnologias de sensores, sistemas de controles capazes de determinar rotas, ações, manobras de segurança, ou seja, a capacidade em rastrear o ambiente, devendo seguir a rota traçada com segurança, prevendo obstáculos, pontos de parada, sem um condutor controlando a sua navegação.

Esclarecendo um pouco mais, o robô é um ou mais dispositivos, desenvolvido primordialmente com a capacidade para trabalhar de forma autônoma mesmo que pré programado.

Portanto, o veículo robô, possui aplicação de técnicas que substituem o condutor humano, somado aos diversos recursos tecnológicos em toda estrutura e mecânica automotiva, sistema de frenagem, entre outros.

Veículo autônomo é passado

Vem aumentando as notícias sobre veículos autônomos.
Embora pareça novidade para grande parte das pessoas, a ideia vem de um tempo distante, tendo seu primeiro protótipo apresentado em 1939 no Estados Unidos.

De lá para cá, muitas pesquisas foram desenvolvidas no campo da robótica móvel. Da década de 50 para frente, intensificaram-se competições estimulando o campo de pesquisa de carros não tripulados e embora alguns acidentes tenham ocorrido com carros autônomos, inclusive envolvendo vítimas fatais, ao que tudo indica, intensificaram-se os investimentos para que esse conceito de carro se consolide na sociedade, ou melhor, no trânsito da sociedade.

Gigantes do mercado testando carros autônomos

A empresa Uber, é uma das grandes empresas a testar carros autônomos,  a Toyota junto com a Denso e a Softbank, estão investindo nos carros autônomos para a Uber. A chegada desses carros no Brasil, estão previstas entre 2020 até 2025, mas nada garante que irão circular a partir desse período.

A empresa Apple possui no momento a terceira maior frota de autônomos, somando 66 veículos. A gigante vem realizando diversos testes com 83 motoristas autorizados, demonstrando alto comprometimento com o objetivo em circular sua frota, inclusive tendo contratado em seu time de desenvolvimento, nada menos que um engenheiro da Waymo e da NASA.

Já a Ford, em parceria com Agility Robotics, desenvolve no momento, um carro autônomo junto com um robô autônomo voltado para o setor de entregas.

A Google também vem investindo em veículos autônomos e após um acidente envolvendo um de seus carros, declarou que um dos grandes problemas no trânsito é o comportamento dos próprios humanos.

O carro autônomo da Alphabet, ‘mãe da Google’, possui maior quilometragem rodada até o momento e o CEO da empresa, disse que um carro rodando 100% autônomo, é algo que vai demorar um pouco a acontecer, as direções assistidas, ainda são necessárias por diversas razões, que envolvem melhorias, tanto no sistema autônomo de veículos, quanto no comportamento do próprio ser humano durante o trânsito.

Como será o trânsito do futuro?

Conforme o Departamento de Transportes da Inglaterra conclui em relatório: Os principais impulsionadores do crescimento do tráfego são o aumento da população e a diminuição dos custos de operação de veículos.

O estudo afirma que até 2050 o tráfego crescerá e que os carros autônomos podem não ser a solução para a redução do trânsito. O governo britânico reconhece que é um cenário novo pela frente, mas otimiza a idéia de que com o aumento dos veículos compartilhados, o uso dos autônomos sejam usados de forma mais inteligente.

O Brasil está preparado para um carro autônomo?

Observando as estatísticas e estudos realizados sobre o trânsito, o Brasil é um país que ainda caminha para melhorar a segurança e dar mais atenção aos pontos de vulnerabilidade dentro do trânsito de veículos em nosso país.

Incluímos dentro de segurança, também a qualidade dos pavimentos e estradas que estão em grande parte inadequadas.

Esse mês, a campanha Maio Amarelo reforça todos os pontos que o nosso trânsito precisa melhorar para reduzir índices de acidentes e tornar o trânsito brasileiro mais seguro.

Para saber mais sobre Maio Amarelo, confira nosso post: Maio amarelo, saiba a origem e significado

Segundo pesquisa realizada pela empresa de auditoria KPMG, Brasil estaria em último lugar no Índice de Prontidão para o uso de veículos autônomos 2019 alegando que o resultado do Brasil seria melhor se o país incentivasse mais os veículos focados em eficiência, segurança e pesquisa.

Dessa pesquisa os 5 países que ficaram na primeira colocação foram Holanda, Cingapura, Noruega, Estados Unidos e Suécia.

Conclusão: Carros 100% autônomos no Brasil é improvável, pelo menos na próxima década. Talvez nas capitais com melhor estrutura, pavimentação, segurança, os carros autônomos possam circular sob o supervisionamento humano.

Confiança nos carros autônomos

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos mostra que 50% dos americanos ainda não sentem confiança suficiente nos carros autônomos. Todavia a expectativa é grande por parte de motoristas e consumidores.

O relatório da The Autonomous Car – A Consumer Perspective, do Capgemini Research Institute, mostra sob a perspectiva do consumidor, uma visão bastante positiva sobre os benefícios dos veículos autônomos na eficiência de combustível, redução nas emissões de carbono e economia de tempo.

Concluímos que os carros autônomos são uma realidade nos países de primeiro mundo, porém levará um tempo para que a comercialização seja plena e venha com um preço mais acessível, isso não impede de muitas empresas, inclusive no setor de transportes estarem investindo alto e intensamente para que esse futuro se torne uma realidade. De todo modo, países como o Brasil, precisam melhorar tanto a infraestrutura, quanto a segurança e educação no trânsito para que a experiência seja de fato positiva. E que esse futuro, traga melhorias e redução no impacto da poluição a meio ambiente.

About the Author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *